Simone Rosa 3.jpg

Sou simone roSa(artista visual) 
Aqui encontrará um pouco sobre sobre a minha produção poética, com narrativas contadas por mim e depoimentos.

Depoimentos

Relato da crítica de arte Nara Cristina Santos (1999)

 

A pintura de Simone Rosa vem marcando um momento em seu percurso, quando apresenta a figura humana, mais precisamente o rosto (ou a máscara), recortado, inserindo uma alteração de planos, onde o espectador é chamado para uma identificação – a própria – através de um espelho.

A identificação dele na obra e com a obra; a dele mesmo. Esta aproximação da virtualidade da imagem no espelho, pode sugerir um momento de auto-reconhecimento, ao mesmo tempo em que convida a desvendar outros mundos. Hoje, podemos vislumbrar um redimensionamento no trabalho de Simone Rosa, quando a artista retoma o tema das fachadas arquitetônicas enfatizando uma nova espacialidade: o espaço surge fragmentado não apenas pelo traço, mas pela própria tela onde cada fragmento compõe o todo – a obra.

Relato do produtor cultural Claudio Troian (2008)

 

Uma boa meia dúzia de obras de Simone Rosa orna com graça, leveza e perpetuação o lar em que habito.  A atmosfera gerada por matizes e formas sinuosas dos seres e coisas nelas representadas acaba por insinuar-se sutilmente no ambiente-espaço mental que divide salas, salinhas e saletas. Pessoas deleitam-se e deitam a pensar e a falar e a gerar.

Aliás, cabe a pergunta: o que está no controle é a arte ou o artista? Pois os que a conhecem pessoalmente, sabem que Simone Rosa é figura assim, aguarda silente o momento da explosão. Não premedita, antes reage ao estímulo exterior. No final das contas, jamais viverá monotonia. Tem lápis e papéis, tintas e pincéis. E um mundo para leitura.

Daí que arte e artista nela se fundem em peça única. Fica divertido conviver com a percepção de que aqui há de fato uma simbiose escandalosa.  Quando o Humano encontra a Arte, abre-se o Universo de Infinitas Possibilidades. E Simone recria o mundo, para nosso deleite. E com prazer. 

Arrisco outra pergunta: você também tem um Simone Rosa em casa...?

126t.jpg
GD_217_215.jpg
261t.jpg
167t.jpg
303t 65 x 40 cm.jpg
258t.JPG

NOTÍCIAS
no BLOG

IMG-20190927-WA0016.jpg

Nasci em Santa Maria/RS no último ano da década de 60, portanto tenho muitas histórias para contar e aqui coloco algumas que tem relação com a minha produção poética.

Quando eu era pequena, meus avos paternos moravam numa casa no campo; passava um mês de férias lá, antes de irmos para a praia. A casa fica no alto de uma coxilha, o que faz parecer que estamos mais perto do céu. De dia costumava observar os desenhos das nuvens e a noite as estrelas; sentada em uma cadeirinha de madeira em frente da casa; ou caminhando até a porteira (com uma parada obrigatória em uma grande figueira no meio do caminho). Quando ia dormir  ficava observando os desenhos das manchas nas paredes rosadas, onde o tempo desbotou a pintura a cal. A noite ao dormir o meu céu eram as paredes do quarto iluminado pela vela. O meu céu, com sugestões diferentes a cada dia, continuou na minha produção poética em diferentes séries, com diversas reflexões. 

 

Minha mãe é arte educadora e quando eu era pequena ela ainda cursava a faculdade e às vezes precisava me levar junto para as aulas. Tenho a lembrança de ficar quietinha desenhando ou modelando com argila. Anos depois, quando fui cursar Desenho e Plástica Bacharelado, eu estava nos mesmos corredores e salas de aula e parecia tudo tão pequeno, pois imediatamente a minha memória da infância voltou.

Quando fiz quinze anos ganhei muitos presentes e alguns guardo até hoje. Um deles é um espelho de mão com as bordas cheia de arabescos. Aquela moldura decorada acompanhou muitas alegrias e tristezas embutidas no olhar do meu rosto em diferentes épocas, como se emoldurasse sentimentos. Esse ato de emoldurar sentimentos e percepções acompanhou diferentes séries.

 

Ingressei querendo fazer escultura, pois de tanto brincar com argila estava acostumada a receber elogios do quanto realista estava as minhas modelagens. Gradativamente, a cada aula, fui percebendo que a expressão artística não estava na proximidade da realidade e sim na autenticidade da intenção. Não via o tempo passar quando estava desenhando, sempre fazia muito mais desenhos do que era solicitado. Mesmo quando era uma proposta de pintura a linha, tanto estrutural quanto formal no trabalho acabado, sempre predominava. Foi então que decidi cursar a habilitação Desenho Artístico. Nem imaginava que o desenho, sua teoria e treinamento, iria me acompanhar na docência, em um dos mestrados que cursei e no doutorado.

 

Durante a graduação fiz parte do nosso Diretório, fui tesoureira. Acompanhar o movimento estudantil despertou sentimentos que me levaram a diversos projetos encantadores, ao logo da minha trajetória. Projetos que envolvem tanto a minha produção poética, na doação de obras; como a minha experiência com o processo criativo, na coordenação da criação de muitos murais. Desde estudante minha produção artística contribuiu para arrecadar fundos para revitalizações de museus, teatros, bibliotecas e hospitais; assim como contribuir em muitos projetos sociais, coordenando e ministrando oficinas. Quando ainda estudante nunca imaginaria que um dia seria produtora cultural de um projeto social, mas hoje sei que tudo começou com o envolvimento com o movimento estudantil, que plantou a semente da empatia e da solidariedade.